cultura novamente marca gov
CACHOEIRA
NATAL LUZ
cultura novamente
SISU
GOVERNO DO DESENVOLVIMENTO
MOTO CERTA
cultura novamente marca gov 2
JA CULTURA
OBRAS NO LITORAL CERTA
Semana do servidor BANNER
BOA AÇÃO

Vereador de Timon propõe suspensão da verba indenizatória para comprar cestas básicas

O valor chega a R$ 600 mil em três meses

08/05/2020 22h04Atualizado há 7 dias
Por: Walcy Vieira

Vereador José Carlos Assunção (PSB) propõe suspensão de verba indenizatória dos vereadores para compra de cestas básicas 

E o dinheiro não é pouco, já que cada um recebe, mensalmente, R$ 11.000,00 para custeio de gabinete e assessores e o valor total, somado por três meses, chega a mais de R$ 600.000,00.

E é na dificuldade que a gente vê se há real responsabilidade com aqueles que foram eleitos pelo povo. Em uma atitude, que condiz com a realidade em que o mundo todo vem sofrendo com pandemia do novo coronavírus, o vereador da cidade de Timon José Carlos Assunção (PSB), da base aliada do prefeito Luciano Leitoa, fez um requerimento à presidência da Câmara solicitando que seja suspensa a verba indenizatória dos 21 vereadores pelos próximos três meses para que sejam revertidos na compra de cestas básicas aos trabalhadores da cidade. Resta saber se os demais vereadores da casa irão gostar dessa boa ação. 

Indo na contramão de muitos municípios, mas seguindo os princípios pregados pela gestão do Prefeito Luciano Leitoa, que já determinou a suspensão de comissões de todos os servidores municipais, o vereador José Carlos tem uma atitude significativa para a parcela da população composta de trabalhadores autônomos, que não receberam as mais de 20 mil cestas distribuídas no mês de Abril pela prefeitura, já que foram destinadas aos beneficiários do Bolsa Família .

O que o vereador não está contando ou pelo menos é o que se imagina, é que ainda precisa saber como anda a solidariedade da oposição de Timon.

Conhecidos por dificultarem votações importantes, como foi o caso do orçamento 2019, que por pressão e impasses da oposição, só foi votado e aprovado apenas no dia 15 de janeiro de 2019, causando atraso em licitações e até no início do ano letivo da rede municipal de ensino.