cultura novamente marca gov
Semana do servidor BANNER
JA CULTURA
MOTO CERTA
SISU
cultura novamente marca gov 2
NATAL LUZ
OBRAS NO LITORAL CERTA
GOVERNO DO DESENVOLVIMENTO
cultura novamente
CESTOU, É?

Atenção, atenção! Cerveja está provocando uma doença misteriosa. A polícia está no caso

Uma pessoa já morreu e tem "um monte" doente depois de ingerir a "malvada"

10/01/2020 10h21
Por: Walcy Vieira

Em laudo emitido pela Polícia Civil de Minas Geais, especialistas indicam a presença da substância dietilenoglicol na cerveja Belorizontina, da marca mineira Backer. A instituição confirmou que o laudo é autêntico e foi emitido nesta quinta-feira (09/01).

Conforme aponta o documento, em duas amostras de cerveja encaminhadas pela vigilância sanitária, foi identificada a presença da substância, em exames realizados preliminarmente. Ambas pertencem aos lotes L1 1348 e L2 1348.

A substância pode ter sido a causadora da “doença misteriosa” que, até agora, acometeu pelo menos oito pessoas em Belo Horizonte. Uma delas morreu.

A respeito do laudo da Polícia Civil, a cervejaria informou que não vai se posicionar por enquanto.

O que é o dietilenoglicol?

O dietilenoglicol é uma substância anticongelante, de uso muito comum na indústria. Sua ingestão pode provocar intoxicação com sintomas como insuficiência renal e problemas neurológicos, de acordo com o médico infecnologista Carlos Starling.

“Em geral, esse produtos são usados, por exemplo, em congeladores, freezers, para limpeza. Se ingerido, ele pode, sim, provocar intoxicação”, afirma o médico.

Entretanto, de acordo com ele, o fato de haver a presença do produto no local não significa que seja a causa da intoxicação, porque ele é usado em várias atividades industriais. “Sei que é usado como anticongelante, em refrigeradores, para evitar congelamento”, diz o médico.

De acordo com o mestre cervejeiro Marco Falcone, é comum o uso do dietilenoglicol na indústria cervejeira, principalmente, no processo de resfriamento da bebida. No entanto, segundo ele, é pouco provável que tenha acontecido alguma contaminação, uma vez que a substância não entra em contato direto com o líquido durante o processo de fabricação. 

“A fabricação da cerveja, o processo, é todo fechado. A Backer é uma empresa bastante consciente e responsável, dificilmente haveria alguma contaminação. A cerveja existe há mais de oito mil anos e nunca aconteceu alguma contaminação”, argumentou.

O que se sabe até agora

Até agora, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) confirmou que oito pessoas foram acometidas por doença cujos sintomas são de insuficiência renal e problemas neurológicos. Sete pessoas estão internadas, e uma morreu em decorrência da doença.

Trata-se do bancário Paschoal Demartini Filho, de 55 anos, que era morador de Ubá, na Zona da Mata. Ele chegou a ficar internado em Juiz de Fora, também na mesma região, e morreu na terça-feira (7). O corpo dele foi necropsiado pela Polícia Civil em Minas Gerais.

Segundo familiares, ele e um genro ingeriram a Belohorizontina no bairro Buritis, região Oeste, no fim de dezembro. Esse genro de 37 anos também está internado com a doença. 

Inquérito

A Polícia Civil instaurou inquérito, nesta quinta-feira (9), para apurar as causas da “doença misteriosa”. Também nesta quinta, a instituição esteve na cervejaria para recolher amostras da bebida.

 

Fonte: O Tempo